O melhor nunca está aqui

felicidade_placa

Esses dias vi a chamada de uma matéria que falava em quais lugares do mundo o céu é mais bonito. E aí me vi pensando sobre como somos levados a pensar que as melhores coisas, as mais bonitas e legais, estão sempre lá, longe, e não aqui, agora, onde a gente está.

Isso gera uma constante insatisfação, por que nem sempre a gente pode viajar para aquele lugar para conhecer aquele céu maravilhoso, por exemplo. E aí esquecemos que o mesmo céu paira sobre nós, talvez não com todas aquelas “qualidades” do céu de lá, mas certamente com suas belezas. Nos fazem acreditar que não é possível ser feliz aqui agora, com o que a gente tem. Sempre haverá algo “essencial pra nossa felicidade” faltando na nossa vida. E assim, seguimos sem conseguir enxergar a beleza no que está ao nosso redor. Estamos tão absortos pensando no que nos falta, que esquecemos de apreciar as coisas que estão por perto. E pra “reapreciar” é preciso parar, desconectar com o barulho e se reconectar com o silêncio de dentro. É preciso “reeducar” o nosso olhar para poder enxergar a poesia no nosso dia a dia, muitas vezes corrido e sem todo o glamour que nos dizem que é preciso ter.

A insatisfação é inerente ao ser humano mas em dois aspectos: um negativo, onde desperta a ganância de ter cada vez mais; o outro positivo por não fazer com que nos acomodemos. Gosto bem mais do segundo, por que acredito que esse tipo de insatisfação é o que faz com que busquemos o nosso propósito, o lugar em que nos encaixamos e descobrir a nossa missão. Se não estamos plenos precisamos buscar o que nos faz completos.

Tem uma frase que diz que “a felicidade está no caminho”… Mas estamos tão preocupados em chegar na localização exata da felicidade que acabamos não desfrutando dela. É preciso se esforçar para conseguir reconhecer o que nos faz felizes na rotina. talvez seja chegar em casa e colocar os pés pra cima, depois de um dia cheio no trabalho. Ou então, seja no meio da semana comer no seu restaurante preferido; talvez ainda seja receber um gesto gentil num dia difícil. A felicidade está aqui. Só precisamos abrir os olhos de dentro para enxergá-la

Links interessantes da semana #34

origami-565954_960_720

1-  Simplificando – no blog do Eugenio Mussak

 

Cha-e-meditacao-o-estar-presente

2- Chá e meditação: o estar presente – no Vida Larga

 

sincronicidade.jpg

3- Sinais de que o universo está te ensinando através da sincronicidade – no Despertar Coletivo

 

smile

4- 3 passos para relembrar a gratidão – no Destralha

 

lago.jpg

5- A inteligência dos lagos como força de conexão com a natureza – no Panelas de Capim

 

2f116f_aef34dea002c43998d5d046f5871e5f9-mv2

6- Constelações familiares restauram o fluxo do amor – no Caminhos da Cura

 

10.jpg

7- 5 benefícios de viver fora do sistema – no Jardim do Mundo

 

Bom final de semana!

Como o Ho’oponopono tem mudado a minha vida

sinto-muito

Já tinha ouvido falar sobre o Ho’oponopono quando uma amiga de trabalho comentou sobre ele comigo. Não entendi muito bem e não pesquisei a fundo para saber mais sobre assunto, mas lembro que ela me passou a oração original dessa terapia, que hoje está colada na porta do meu quarto.

Foi aí que eu vi esse vídeo da Stephanie do Desassossegada sobre o assunto, me interessei, comecei a ler mais e a aplicar essa terapia diariamente na minha vida. Mas vamos lá: O que é o Ho’oponopono? Essa terapia teve origem no Hawaí e seu nome tem por significado: “corrigir um erro” ou “tornar certo”. Através dele é possível se libertar de crenças e padrões que se encontram fixados no nosso inconsciente e transformar as nossas vidas e as vidas de outras pessoas.

Por que eu gostei tanto dessa terapia? Primeiramente porque ela é extremamente simples de ser praticada. E segundo, porque eu realmente consegui ver as mudanças acontecendo na minha vida. Então vamos lá: Sempre que uma situação em que você não se sente bem ou confortável estiver acontecendo, quando algum tipo de problema te assolar, mentalize as quatro frases:

SINTO MUITO. ME PERDOE. EU TE AMO. SOU GRATO.

A Stephanie partilhou a definição dessas quatro frases de uma forma super simples e explicativa. Reproduzo aqui para vocês: “A intenção a colocar nas frases é a seguinte: Eu sinto muito por não ter consciência do que está causando tal problema. Por favor, me perdoe por qualquer coisa que esteja se passando dentro de mim que tenha se manifestado como essa situação. Eu também perdoo a mim mesmo por isso. Eu te amo porque sou amor e através do amor quero curar esse problema. Obrigado, sou grato por poder libertar estas memórias e permitir a entrada da luz.”

É super simples e, quanto mais repetimos essas frases no nosso dia a dia, mais resultado e transformação vamos tendo. Vou partilhar as minhas experiências: com a aplicação da terapia, tenho conseguido aceitar melhor as situações que acontecem na minha vida., não de maneira acomodada, mas compreendendo que tudo o que acontece nada mais é do que a manifestação daquilo que se encontra dentro de mim. Claro que nem sempre essas manifestações são exatamente aquilo que eu desejaria que acontecesse, mas confesso que depois de inserir essa prática em meu dia a dia, me conectei mais com meu EU e consigo compreender muito mais o que me acontece.

Infelizmente não podemos apagar nenhuma memória nossa, mas podemos reeditá-las. e o Ho’oponopono é uma ferramenta de grande auxílio para a mudança dos padrões que se repetem em nossa vida. Por exemplo: se uma pessoa faz algo de ruim pra mim eu não consigo mais sentir raiva dela. Eu aceito que eu mesma trouxe essa situação para minha vida e dessa forma, aceitando que eu sou responsável por tudo o que me acontece, faço dessas quatro pequenas frases um mantra, focando minha energia na situação que ocorreu, como uma maneira de transformá-la e purificá-la.

Para ler mais sobre o assunto:

Site Ho’oponopono Brasil

Post da Stephanie sobre o assunto

Site Ho’ponopono Mente Livre

Links interessantes da semana #33

demissao

1- A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão – no Estadão

 

stop

2- Inação: talvez sua melhor ação para o momento – no Nowmastê

 

pexels-photo-87584

3- Seja luz! – no Desassossegada

 

Captura-de-tela-2016-02-04-17.34.18.png

4- Por onde começar a se organizar – no Vida Organizada

 

pixlr_20160816183443063

5- Minimalismo e economia em viagens – no Meu Diario Minimalista

 

12019812_10203551388504260_4477249058980457269_n-810x355

6- O retorno do amor e a cura cósmica – no blog da Maiana Lena

 

pedra-zen

7- Seja como uma pedra no lago – no blog da Camile

 

Bom final de semana pra vocês!

Viver mais devagar

DSC_3802
Trindade, agosto de 2016

Já tem um tempo que tenho sentido uma certa necessidade de diminuir o ritmo da vida. Tanto é que há três anos um problema de saúde me fez parar pra repensar a forma como eu estava vivendo, quais eram meus valores e propósitos. Acredito que quando não estamos atentos e precisamos reduzir o ritmo, a vida dá um jeito de fazer isso por nós, geralmente parando o nosso físico: uma lesão, uma doença.. qualquer coisa que nos faça parar de imediato.

Na semana passada Marcelo entrou de férias e acabamos decidindo visitar Trindade, no Rio de Janeiro. Nunca tinha visitado o estado e fiquei apaixonada por esse vilarejo que é uma espécie de “bairro” de Paraty. Lá meu telefone não funcionava pra fazer ligações e o sinal de internet era bem ruim, o que me permitiu me desconectar bastante e curtir plenamente o momento. Tanto o fiz que levei minha câmera maior (de trabalho) e só fotografei um dia. Passei horas olhando pro mar, só vendo as ondas irem e virem. Isso foi muito bom pra mim… me fez pensar sobre muitas coisas, me fez esquecer de tudo e estar ali, com plena consciência. Quase que não volto embora! Rs… Me apaixonei demais por aquele lugar lindo, pela combinação de mar, montanhas, trilhas… Moraria lá facilmente.

Sinto que preciso me desconectar mais do mundo virtual e que sou bastante dependente dele… Porém, utilizo as redes sociais pra divulgar meu trabalho de fotografia, pra me conectar com pessoas que tenham os mesmo ideias, pra aprender… Só não estou sabendo como equilibrar isso. Depois que sai do trabalho fixo ainda não consegui estabelecer uma rotina que me permita organizar melhor meu tempo. Ainda bagunço muito as coisas. Mas ao mesmo tempo em que me cobro entendo também que é preciso um certo tempo para assimilar as mudanças que a vida me proporcionou.

Agora eu venho pedir uma dica pra vocês: como vocês se organizam? Como reduzir o ritmo? Como planejar as atividades e estabelecer metas/limites/projetos? Juro que estou me sentindo perdida pra caramba.

Links interessantes da semana #32

16159266

1- É preciso rever a produção de alimentos – na Folha de São Paulo

 

16853128662_f927e0a8e3_n

2- A fotografia como terapia – no Fotocultura

 

há-pessoas-que2

3- Há pessoas que te inspiram e há pessoas que te esgotam – n’O Segredo

 

autocritica-por-que-somos-tao-duros-com-nos-mesmos

4- Por que somos tão duros com nós mesmos?  – na Revista Vida Simples

 

sonhos-768x510

5- Como lidar com uma crise que é maior que você? – no Nowmastê

 

Boff-site-620x264

6- Quem vai derrotar o Capital será a terra – no Jornada de Agroecologia

 

carlos-e-paty-768x949

7-  Como vive o casal classificado como “Classe F” pelo IBGE – no Vivendo fora do Sistema

Bom final de semana!

Links interessantes da semana #31

n-WALKING-FEET-NATURE-large570

1- Andar nos ensina a desobedecer – no São Paulo São

 

pressa-3

2- Exaustos-e-correndo-e-dopados – no El País

 

oterminaltomhanks

3- 8 filmes para inspirar o desapego – no Contioutra

 

dont-600x425

4- Por que a gente precisa parar de brigar com o AGORA? – no Nowmastê

 

WP_20141012_14_02_51_Pro

5- Um jardim de medicinas – no Panelas de Capim

 

esperar6

6- Vida estagnada – no que fazer? – no Desassossegada

 

capa_krishamurti-1080x520

7- Dica de filme transcendental: O jovem Indiana Jones e Joddu Krishnamurti – no Yogui.co

Bom final de semana pra vocês!