O que aprendi com meu cão sobre desapego

Ter uma vida sob sua responsabilidade é exercitar o desapego de si mesmo. Provavelmente deve ser uma experiência parecida com a de ter um filho (não posso falar com propriedade, pois ainda não tenho um).  Como comentei no ano passado aqui no blog, adotei um cãozinho. O Ozzy. No dia do meu aniversário. Eu tinha a Nina, uma coelha de cinco anos que morreu em junho e quem é apaixonado por animais sabe o quanto dói perder um companheiro. Pra completar o meu ano de 2013, o Ozzy com 4 meses desapareceu aqui de casa (bem no dia do Natal) e nunca mais o encontramos. Já dá pra imaginar o quão difícil foi 2013 pra mim, né? Além de tudo o que me aconteceu, perco dois animais de estimação em um curtíssimo prazo de tempo.

Pois bem, no dia 26/12 deixaram uma cadelinha aqui em casa achando que era o Ozzy. Nesse ponto, toda a cidade (que é pequena e todo mundo conhece todo mundo) já estava me ajudando, recebia várias ligações de pessoas que tinham visto um cãozinho parecido, mas infelizmente não o encontramos. Eu fiquei com dó de colocar a cadelinha na rua e acabei deixando ela lá em casa até encontrar um lar. Foi passando o tempo e fui me apegando a ela… e ela acabou ficando lá em casa e tá lá até hoje, fervendo. Como ela chegou lá em casa como um “consolo”, meu irmão batizou a pequena de Consuelo. Rs…

Como trabalho o dia todo fora, o tempo que tenho pra ficar com ela acaba não sendo muito. Então, acordo cedinho (pelo menos uma hora antes de começar a me arrumar pra ir pro trabalho) e fico lá com ela brincando no quintal. Chego do trabalho e fico mais um pouco e antes de dormir fico mais um pouco também. A rotina é cansativa, é, mas receber o carinho da Consinha sem sombra de dúvida vale qualquer hora “perdida” de sono. Aprendi a me desapegar de mim, a cuidar dela com carinho, a levar pra passear… A abrir mão de algumas coisas, inclusive de ir pra algum lugar, pra não ter que deixá-la sozinha. De forma alguma acho isso uma coisa ruim. Prefiro muitas vezes ficar em casa com ela, brincando, do que sair simplesmente por sair.

Ter um animal requer responsabilidade, requer deixar algumas coisas de lado pra estar em sua companhia. Aprendo todos os dias sobre o amor e o carinho com ela. Amor gratuito. Sem nada em troca (a não ser comida, água e carinho. Rs…) Aprendo a dar mais de mim, a deixar o que não é tão importante de lado pra que possamos nos divertir juntas. Quem diria que um animal poderia nos ensinar tanta coisa? 

♥ ♥ ♥ Como não amar? ♥ ♥ ♥

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s