Coluna da Maiara: Resiliência

image

Olá a todos!

Mais uma segundona e estou aqui novamente! Hoje eu resolvi falar sobre resiliência, você sabe o que é?

Ao consultar o dicionário Aurélio, encontramos o seguinte significado: Resiliencia s.f. Física. Característica mecânica que define a resistência aos choques de materiais.

Este termo é comumente usado na física para se referir à capacidade que um corpo possui de voltar integralmente ao seu estado anterior após sofrer algum tipo de ação/tensão que poderia deformá-lo. Já Psicologia, resiliência refere-se à habilidade que um indivíduo tem de passar por adversidades e superá-las. Este conceito foi usado pela primeira vez por Rutter (1985), que defende que eventos negativos da vida podem causar impactos cognitivos e comportamentais.

Ser uma pessoa resiliente significa desenvolver-se de forma saudável mesmo vivendo em um ambiente que não o seja (PESCE, ASSIS, SANTOS & OLIVEIRA, 2004; INFANTE, 2005). Nesta perspectiva, a resiliência corresponde a um processo interativo entre o homem e seu meio. O comportamento resiliente está diretamente relacionado à capacidade de adaptação e a forma como respondemos em situações de risco para nossa saúde emocional (CECCONELLO; KOLLER, 2000).

Quantas vezes na vida não passamos por situações difíceis que nos abalam significantemente?

Se observarmos, cada um de nós tem maneiras diferentes de reagir e lidar com determinadas situações, eu e você podemos passar pela mesma experiência negativa e reagirmos de formas completamente diferentes. Uma série de fatores pode contribuir para maior ou menor resiliência, entre eles: condições sócio econômicas, estrutura familiar, auto estima, auto controle e características da personalidade. Há estudos que investigam se esta é uma característica desenvolvida na infância, entretanto, estudiosos afirmam que a resiliência não é estável e pode mudar de acordo com o período da vida e as circunstâncias (MASTEN & GARMEZY, 1985).

A proposta deste texto não é ser extensamente teórico, mas acredito que é importante explicar um pouco o termo para todos saberem do que se trata. Se você observar a si mesmo, diria que é uma pessoa resiliente? Quando passa por momentos difíceis, tende a se recuperar e voltar à vida com mais facilidade ou dificuldade?

Questiono porque só podemos mudar a nossa forma de enxergar a vida se começarmos olhando para nós mesmos. É claro que em determinados momentos é complicado simplesmente seguir em frente sem passar por algum tipo de sofrimento, afinal, sofrer faz parte da experiência que é viver e pode trazer, além da dor, uma série de aprendizados.

Porém, há diferença entre passar por uma experiência difícil e ter dificuldades para retomar a rotina e passar muito tempo vivendo a partir deste acontecimento, paralisando a vida por um longo período após uma vivência negativa. Ser resiliente é o que chamamos no senso comum de “dar a volta por cima”.

Dando uma olhada na Internet sobre o tema, encontrei uma matéria da Revista Exame que traz algumas dicas para um comportamento resiliente e fala como este pode auxiliar na vida profissional, como é uma reportagem voltada ao mercado de trabalho, fiz algumas adaptações e vou resumir aqui para vocês:

* Veja as mudanças e dificuldades como oportunidades de crescimento;

* Confie em si mesmo;

* Encare as adversidades com bom humor;

* Busque o controle emocional;

* Coloque-se no lugar do outro;

* Tenha autonomia;

* Seja independente;

* Olhe para as situações com otimismo;

* Reflita sobre suas dificuldades;

* Relacione-se bem com os outros;

* Mantenha valores positivos.

É claro que estas são apenas algumas dicas, mas pensar nestas práticas pode contribuir para o início de um comportamento mais resiliente. Mas se você passou ou está passando por momentos difíceis com os quais não consegue lidar sozinho, recomendo que procure ajuda profissional, não há nada errado nisso e te fará um bem enorme.

Por hoje é isso, espero que tenham gostado deste post voltado para a área da Psicologia. Se tiverem sugestões de temas, deixem nos comentários. Até semana que vem!

REFERÊNCIAS:

CECCONELLO, A. M; KOLLER, S.H. Competência social e empatia: um estudo sobre resiliência com crianças em situação de pobreza. Estudos de Psicologia, v.5, n.1, 71-93. 2000.

INFANTE, F. A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. In: MELILLO, Aldo; OJEDA, E. N. S. e colaboradores. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Artmed, 23-38. Porto Alegre: 2005.

MASTEN, AS, GARMEZY, N. Risk, vulnerability and protective factors in developmental psychopathology. In: Lahey BB, Kadzin AE, eds. Advances in clinical Psychology. New York: Plenum, 1985.

PESCE, R.P; ASSIS, S.P; SANTOS, N; OLIVEIRA, R.V.C. Risco e Proteção: Em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.20, n.2, 135-143. Brasília: 2004.

image

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s