Ensinamentos de Santo Agostinho sobre a riqueza

“Não andes averiguando quanto tens, mas o que tu és.

Enquanto não nos contentamos em ter o necessário, continuamos empenhados em buscar o supérfluo.

Nada é suficiente para quem não pôs limite em seus caprichos.

Quem não se controla no lícito está em perigo de sucumbir ante o ilícito.

Se te contentas com o suficiente, verás que de pouco necessitas.

O rico enche a bolsa de moedas e a alma de preocupações.

Vê o homem acabrunhado sob o fardo da avareza. Vê como transpira ao peso de sua carga, como arfa e padece fome. Trabalha como louco para afinal, tornar seu fardo mais pesado.

Não abraceis a pobreza por amor à pobreza. Isso é miséria.

Abraçai a pobreza por amor de vossa liberdade. Assim vos libertarei da ambição e estareis acima dos interesses mundanos.

Buscai o suficiente para vós e não queirais mais. Porque tudo que excede o necessário oprime e não eleva, pesa e não honra”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s