A liberdade de uma vida mais simples

image

Muitas pessoas relacionam simplicidade com escassez. Na realidade, simplicidade tem mais a ver com ter o SUFICIENTE, ou seja,só o que a gente precisa, do que ter MUITO. Por que a gente não precisa de muito mas somos levados a acreditar que precisamos.

Quando iniciei essa jornada de transformação, em 2013, acabei conhecendo o minimalismo, lendo bastante sobre esse tema, conhecendo vários blogs fantásticos e colocando a essência dessa filosofia em prática de acordo com a minha realidade. Desde então muita coisa mudou, mas a mais importante foi que eu me LIBERTEI das minhas coisas. Antes elas me possuíam. Pra vocês terem ideia, eu não gostava nem de emprestar minhas coisas para os outros, tinha um luxo imenso. Jamais emprestaria um livro antes de tê-lo lido. Roupa e sapato eu sempre pensava: “Mas será que essa pessoa vai cuidar dessa peça como eu?”. 

Nos desapegos físicos propostos pelo minimalismo (que também propõe o desapego mental e emocional, principalmente), consegui me “livrar” de muitas coisas materiais. Talvez por não ter tido TAAAANTAS coisas que queria quando era criança, assim que comecei a trabalhar vi nas compras uma forma de satisfazer um desejo antigo de ter o que sempre quis. Porém, o tempo vai passando e vamos percebendo que não é bem assim, que a gente não é o que a gente tem, que nossas posses não nos definem e que o que realmente vale na vida são as experiências que acumulamos, não as coisas. E além disso, se uma coisa não é útil pra gente, pra que se apegar a ela? Não é muito melhor doar/vender pra alguém que realmente vá usá-la?

A liberdade que essa vida mais simples, com o essencial tem me proporcionado é fantástica: jamais me senti tão leve como agora. Ter desapegado das minhas crenças, dos meus medos (aceitando-os), me permitindo pensar e tomar minhas próprias conclusões/decisões foi e é libertador. A vida tinha que ser leve pra gente, mas vamos acumulando bagagens no caminho e esquecemos que a gente pode se livrar delas quando bem entender. As vezes desapegar do que temos requer desapegar de quem somos e esse processo é dolorido. Mas é na dor que a gente aprende e tatua o aprendizado na alma e na consciência e isso, por mais doído que seja é sim, libertador.

Que todos os dias possamos nos desapegar do que não faz mais sentido na nossa vida. Que a gente possa ser livre pra ser quem a gente é de verdade, que levemos conosco só o que faz sentido na nossa caminhada, só o faz nossos olhos brilharem e nosso coração bater mais forte. Que nos permitamos viver essas transformações, repensando nossa forma de viver e nossos desejos: eles são mesmo nossos, genuinamente, ou nos disseram que é isso que devemos desejar? E isso só a gente pode saber: a resposta está sempre do lado de dentro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s