Sobre a vida que levo

Esse tempo sem trabalhar formal e remuneradamente está me fazendo refletir mais e mais sobre a vida que levo. Há cerca de um ano atrás estava eu estava pensando em como eu passava o dia inteiro trabalhando e no que eu poderia fazer para trabalhar menos. Então, eis que as coisas vão acontecendo de tal forma que cá estou hoje, fora do mercado formal de trabalho, fazendo alguns freelas de fotografia, dedicando meu tempo pra fazer qualquer coisa que eu queira.

Com mais tempo livre, posso conversar mais com as pessoas sem me preocupar com o horário, posso me permitir conhecer gente nova e novos lugares, posso ajudar mais, posso dar meu tempo por uma causa que acredito… E isso não depende necessariamente de dinheiro, mas de disposição. O assunto dinheiro sempre entra em jogo quando falamos de uma vida mais simples, por que realmente, precisamos dele pra milhares de coisas. Mas há muuuuitas delas que independem de condição financeira pra acontecer, e agora estou conseguindo ver isso.

Minha avó é bem idosa, tem 88 anos, está com a saúde bastante debilitada e mesmo morando do lado, literalmente, da casa dela, eu passava semanas sem ir lá. Saía cedo pra trabalhar, quando voltava estava sempre pensando em fazer as minhas coisas, e o tempo era bastante escasso. Agora, consigo fazer companhia pra ela todas as manhãs pra tomar um banho de sol; consigo exercitar imensamente a minha paciência, já que ela é bastante dependente para se locomover, para comer, para conversar… Não sei por quanto tempo terei a presença dela e não quero debruçar no seu caixão e acariciar um corpo sem vida. Quero estar com ela, conversar, lembrar das nossas histórias… Então, agradeço todos os dias por essa oportunidade.

13250490_853577954787050_2090964602_n

Céu azul, vento frio e sol quentinho que aquece o coração da gente

Estou escrevendo esse post um dia anterior, na terça-feira e faz um dia maravilhoso aqui em Congonhal. Tomei sol, sai pra comprar algumas coisas no mercado e senti uma gratidão grande demais por estar vivenciado tudo isso. Por dias e meses eu sonhei com uma vida que me permitisse mais liberdade, que pudesse tirar aquela angústia do meu peito e que me proporcionasse oportunidades que o dinheiro (que eu sempre busquei pra comprar coisas, pensando que me fariam feliz e plena) não me permitia comprar.

Eu nunca tive paciência e agora tenho. Eu adorava cozinhar, mas não tinha tempo suficiente pra fazê-lo, era sempre na correria, e agora eu consigo pensar em novas receitas e tenho cada dia mais disposição e amor pra fazê-las. Estou me sentindo mais leve, mais aberta para o que a vida tem para me dar. Como nunca estou consciente das sementes que estou plantando, estou exercitando o meu estado de presença, estou saboreando a vida de uma forma totalmente nova, plena…   É algo que não dá pra explicar com palavras.

Eu pensava que não conseguiria isso, que não seria capaz de viver essa vida que eu sonhava tanto em ter e hoje eu tô aqui, experimentando tudo isso e muito, muito feliz  e meu coração é puro agradecimento.A vida de ninguém é um mar de rosas e a minha também tem seus perrengues, mas estou disposta, diariamente, a aprender, a melhorar, a me desconstruir, a começar tudo de novo se preciso for. Eu vi que é possível e que só precisamos dar um primeiro passo.

Se você tem um sonho, comece agora, com qualquer coisa. Analise as possibilidades, proponha ações diárias que te permitam estar cada dia mais perto  de realizar esse desejo… Só agindo agora poderemos realizar tudo aquilo que a gente tanto sonha.

Faça

Instagram: @ofelipeguga

 

 

Anúncios

7 comentários sobre “Sobre a vida que levo

  1. Marcelo Rinaldi disse:

    E é maravilhoso poder compartilhar todas essas transformações, Bu! Poder fazer parte de todas essas mudanças opera em mim também mudanças muito significativas, apesar de ainda ter um trabalho convencional de que não gosto muito, como você mesmo diz, não chegou a minha hora ainda de me livrar dessa amarra, mas testemunhar você construindo sua vida, como você, nós desejamos, me sinto realizado por você! Beijossssssssssss!

    Curtir

  2. aeriagirl disse:

    Incrível como não valorizamos a companhia das pessoas nesse mundo tão maluco né? Fui criada pela minha avó e não valorizava ela antes, pois sempre estava irritada e com pressa, hoje penso todos os dias nela. 🙂

    Curtir

    • Bruna disse:

      Exatamente, Isabel! A gente tem essa mania de valorizar as coisas depois que não mais a temos… to lendo um livro que fala sobre isso, se chama “O que na vida tem valor”. Bem legal! Beijos e obrigada pela visita!

      Curtir

  3. Rosana disse:

    Bruna,

    Poderia, deveria, gostaria… são palavras que usamos para justificar, para tentar acalmar a consciência, mas não o desconforto causado pelas ações que eram para ser tomadas, mas não foram.

    Em relação ao tempo, que bom que você percebeu essa diferença. Acho que tanto em cidades grandes quanto pequenas, o excesso de atividades faz com que a maioria tenha a sensação de pouco tempo para muita coisa.

    Que lindo você dar valor à sua avó agora! E por ter paciência, que é uma virtude meio em extinção.
    Seu post ficou muito belo, muito sincero e intimista. Como eu te disse, seu blog é como um oásis nessa vida tão corrida.

    Abraços,

    Curtir

    • Bruna disse:

      Rosana, querida, obrigada pela sua visita! É assim mesmo, a correria não nos permite parar e avaliar o que realmente importa pra gente… Tô feliz por estar vivenciando isso, e agradeço muito à Vida por me permitir essa experiência. Obrigada de coração, fico muito feliz por o blog te despertar esses sentimentos!

      Beijos!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s