Links interessantes da semana #36

People at the sunset.jpg

1- Valorize o Simples – no Simplicidade & Harmonia

 

presentes-lixo-zero-natal-sustentavel-01.jpg

2- Ideias de presentes para um natal lixo zero – no Um ano sem Lixo

 
24a81eb5-3e6a-4ade-ad72-25d04af5a59a

3- Por que eu me transformei? – no Sétima Dimensão

 

Procura-se-compaixão-empatia-e-amor-1.jpg

4- Procura-se compaixão, empatia e amor no Doce Cotidiano

 

download

5- O que temos x o que precisamos – no Roupa Livre

image1.jpeg

6- Vai com medo mesmo – no Nowmastê

 

538134777_95751ba952_b

7-O que aconteceria se a alimentação vegana fosse adotada em todo o mundo – no Nexo

 

Bom final de semana!

 

Anúncios

Sigo aprendendo

Screen-Shot-2014-02-11-at-14.37.16.png

A vida é uma grande escola. Todo dia um novo teste. Inclusive, algumas repetições de lições pra ver se a gente realmente aprendeu com os erros, o que nos faz ver que as vezes pensamos que mudamos, até mentimos pra nós mesmos e na realidade continua a mesma coisa, com sutis modificações.

Nesses últimos meses tantas coisas tem vindo a tona sobre mim mesma… Já falei disso nos últimos posts, mas é que realmente tem sido uma fase onde tenho lido bastante, estudado e me dedicado pra entender as coisas que acontecem na minha vida, erros que se repetem, coisas boas… Enfim, um período de revisões e de traçar novos planos.

Sempre tive a “mania” de querer ajudar as pessoas. E sei que isso é muito legal, muito nobre, reconheço. Porém, é uma coisa que na maior parte das vezes mais me desgasta do que me faz sentir útil. Lembro que desde a época da escola as minhas amigas vinham se aconselhar comigo e eu sempre fui aquela amiga pra qual você poderia ligar de madrugada que te atenderia. Só que com o passar dos anos a gente vai vendo que a balança acaba pendendo demais pro lado de lá: você se doa, ajuda, mas não tem reciprocidade. Não que eu faça algo esperando reconhecimento. Eu faço isso por que eu realmente gosto de ajudar. Só que chega um ponto em que não dá pra continuar dando e não recebendo nada em troca. Juro, não meço esforços para ajudar quem me procura, mas estou entendendo (e decidindo colocar em prática pela milésima vez) que não dá pra ficar onde não existe reciprocidade. Pra mim amizade é algo que naturalmente engloba reciprocidade. Se não, é coleguismo. E aí a vida nos faz passar uma peneira + pente fino em certas amizades.

Mais uma coisa: desapegar das pessoas. Finalmente estou conseguindo me desapegar de pessoas. Que libertador! Que maravilhoso é poder compreender que o fato de uma pessoa ter sido importante numa fase da nossa vida (e por isso somos gratos a ela) não significa que precisamos manter um contato forçado. Tá tudo bem deixar a pessoa seguir a vida dela e você também seguir a sua. Não precisa ficar brigado nem nada, mas não precisa fingir um vínculo que não existe mais. FANTÁSTICO.

Mas voltando à questão anterior: eu já tinha cometido um erro, disse que não tornaria a repetir e adivinhem? Lá fui eu mais uma vez fazer o papel de trouxa resolvendo problema pra uma pessoa que me deixou na mão com a batata assando.

Uma das coisas que decidi também é não fazer papel de vítima, algo que fiz a vida toda. Sempre fui muito dramática, achando que tudo e todos estavam contra mim. “Ó vida dura e cruel!” Isso também foi tão fantástico por que me fez entender que certas coisas não são minha culpa e que ficar nessa posição de vítima só vai me colocar numa vibração baixa e atrair tudo o que está nessa frequência. Não tô me vitimizando nesse caso, tanto que nem comentei com ninguém a respeito, mas eu compreendi que eu mesma estou me colocando nessa situação resolvendo coisas que a própria pessoa deveria resolver. Preciso entender que eu posso sim, ajudar a pessoa, mas não resolver o problema por ela. O problema é dela. Isso é ela que precisa fazer.

Não é fácil desapegar de algo que você foi a vida inteira! Mas também não tem sentido sempre se indispor consigo mesmo para ajudar ou agradar outras pessoas. Já postei um trechinho aqui de um livro falando sobre amor próprio e finalizo essa postagem com ele:

Só faremos felizes os outros na medida em que nós mesmos o formos. A única maneira de amar realmente o próximo é reconciliando-nos com nós mesmos, aceitando-nos e amando-nos serenamente, Não podemos esquecer que o ideal bíblico sintetiza-se em amar o próximo como a si mesmo. A medida, portanto, é o si mesmo e, cronologicamente, o eu mesmo vem antes que o próximo. Já é um ideal altíssimo chegar a preocupar-se com o outro tanto quanto consigo mesmo. Então, é por aí que precisamos começar.

Sofrimento e paz (para uma libertação pessoal) de Inácio Larrañaga

Links interessantes da semana #35

Sucesso

1- Quem eu queria ser pra mim no Simplicidade & Harmonia

 

457687

2- Você é feliz? no Nada de Compras

 

tempo.jpg

3Minimalismo: economizando tempo ou espaço? – no Minimus Life

 

matheus-ferrero-296553-696x463

4- Substituir pessoas sem curar o coração não é seguir em frente, mas sim trocar de problema no Resiliência Mag

 

comp-mensal-600x600.gif

5- Planner de 2018 pra baixar – no Não me mande flores

 

lotus.png

6- Comer de forma intuitiva – no  Eu Vejo

 

brasil

7- A dura verdade sobre a felicidade na sociedade moderna – no Hypeness

 

Bom final de semana!

 

Minimalismo e dinheiro

Oi gente. Tô até sem jeito por que em cada post que eu escrevo eu falo que estou retomando a escrita e acabo deixando o blog sem postagens. Não desistam de mim, por favor. Devagar eu volto! Rs…

money+jar.jpg

Bom, hoje queria falar sobre a questão do dinheiro no minimalismo. Não sei qual foi a reação de vocês assim que conheceram o minimalismo e a vida simples, mas eu peguei uma certa aversão ao dinheiro, comecei a vê-lo como algo negativo. Só agora, 4 anos depois, nessa jornada de encontrar o caminho do meio, é que estou finalmente entendendo que não é esse o caminho. Que o dinheiro, na verdade, tem uma energia neutra e que a forma como faço uso dele é que tem uma conotação positiva ou negativa.

Dinheiro é uma energia necessária na nossa sociedade. Precisamos dele pra nos nos alimentar, nos vestir, realizar nossos sonhos, viajar… E essas são coisas que eu não quero deixar de fazer, é claro, mas que precisam do dinheiro como moeda de troca. Além disso, com dinheiro eu posso ajudar causas que acredito, posso ajudar pessoas, posso apoiar projetos. Na realidade acho que fui extrema demais. E nesses insights que venho tendo, que me mostraram uma necessidade de me equilibrar, pude compreender que todos os setores de minha vida necessitam de um ponto de equilíbrio: os relacionamentos, as finanças, o trabalho, o voluntariado… Porque uma coisa desequilibrada vai fazer com que eu sacrifique outra.

Por que demorei tanto pra compreender isso? Não sei, só sei que finalmente consegui captar essa mensagem.

Mas a parte mais difícil está sendo desconstruir essa crença de escassez que eu mesma criei/construí. Eu posso viver de forma simples, eu posso falar de minimalismo e vida consciente, eu posso e vou continuar escrevendo sobre consumo consciente, sobre comprar o que precisamos, sobre reutilizar, que nada disso tem necessariamente a ver com escassez. Mas só agora eu pude olhar essa questão com outros olhos. Que bom. Sempre é tempo de aprender e de mudar.

Sigo aqui no meu: construir, desconstruir, reconstruir, até encontrar aquilo que preenche meu coração e que faz sentido na minha caminhada. Me contem como foi pra vocês ou como é a questão de lidar com o dinheiro! Vamos compartilhar nossas experiências!

Encontrando o caminho do meio

9215604269_2ebe0f4c24_paz-interior-1

Desde pequena lembro de refletir sobre muitas coisas.

Quando minhas crises de pânico começaram, lá em 2013 e passei a ler mais sobre o assunto, comecei a lembrar de vários episódios ao longo da vida em que tive sensações muito parecidas com as que tive durante as crises. Nunca me esqueço de uma vez, logo após o falecimento de uma tia, sentir uma sensação de vazio profundo (eu tinha uns 11 anos), de pensar “do que adianta viver se vamos morrer mesmo”? Foi um sentimento de tristeza e impotência enormes. Não dei muita atenção a eles e a vida seguiu.

Em 2008 foi quando tive minha primeira crise de ansiedade, que só fui descobrir que se tratava disso anos depois. Me recordo que machuquei a região do peito na academia e que achei que estivesse infartando. Fui na cardiologista, mal conseguia respirar! Ela me receitou aqueles calmantes naturais à base de passiflora, fui melhorando e pronto.

Em 2012 novamente mais uma crise de ansiedade: dessa vez na cadeira do dentista. Eu tinha compromisso pra ir depois do atendimento, não sei se isso acabou desencadeando, mas tive uma sensação horrível de falta de ar, meu coração super acelerado + pressão alta (combo de sempre quando estava em crise). Achamos que poderia ter sido algo relacionado à anestesia, mas não havia sinal de sangue na agulha e de que a aplicação tivesse sido mal sucedida. O baile seguiu.

2013: que ano! Tudo veio de uma vez (vejam só essa partilha): primeiro descobri uma traição do meu pai (depois meus pais vieram a se separar), começaram as crises de pânico, morre minha coelha Nina, de 5 anos, adoto um cachorro que também desaparece e nunca mais encontro. Não foi fácil. Foram 5 meses tão intensos que pra mim duraram anos. Senti que todas as minhas certezas escoaram pelo ralo. Me senti perdida, sem chão, sem rumo, sem referências. Por dentro, uma dor que não passava. Fiz todos os exames possíveis achando que eu tinha todas as doenças possíveis (antes de descobrir que era a síndrome do pânico). A cada exame cujo resultado era normal, mais desespero. Eu queria uma resposta, eu queria um diagnóstico, um remédio que pudesse tomar pra passar aquela dor que me dilacerava.

E aí, um processo de mudança: foi em agosto de 2013 que decidi começar esse blog, com o projeto de um ano sem compras. Inclusive o nome do blog era outro, ele estava em outra plataforma (o tumblr) e, no decorrer desse projeto muitas outras mudanças foram acontecendo. Daí surgiu o “uma vida mais simples” e com ele as leituras sobre simplicidade voluntária, minimalismo, consumo consciente, viver fora do sistema… Falo que não sou eu que encontra textos/livros/filmes: são eles que me encontram. O universo sempre me traz exatamente aquilo que precisava ler/assistir/refletir. Ficava chocada com todo esse arranjo lá de cima pra que eu pudesse compreender melhor as coisas pelas quais vinha passando e sou muito grata por tudo o que chegou até a mim. Além disso, o universo me presenteou com muitas pessoas maravilhosas, que me ajudaram e me ajudam muito nesse processo de autoconhecimento. O que dizer do meu amigo Elder? Nem tenho palavras para agradecer a sua amizade. Passamos pela síndrome do pânico na mesma época, por esse processo de entender do que isso se tratava… Evoluímos juntos. Conversávamos muito, partilhávamos leituras, reflexões… Ele foi uma grande benção na minha vida e sou muito grata pela sua existência e pela nossa conexão. Poder conversar com alguém que vivia na pele aquilo que eu também vivia, me fazia me sentir acolhida. Não que eu não fosse pela minha família, amigos e namorado. Mas só quem passa por essa dor é que consegue compreender do que se trata.

Nesses 4 anos tantas coisas aconteceram: muita desconstrução, reconstrução, aprendizados, mudanças, alegrias, tristezas…. Tudo isso vivido de uma forma muito nova pra mim. Ao mesmo tempo em que era (e é) dolorido, é diferente. Sinto que faz parte do processo, sinto que são lições que se repetem pois ainda não compreendi o ensinamento que elas precisam me transmitir. Por que não se trata apenas do conhecimento chegar até a mim, mas de eu dar abertura para assimilá-lo.

Ao longo dos meus 29 anos passei por muitas fases: romântica, tranquila, rebelde com e sem causa, impulsiva, depressiva, ansiosa… mas em todas elas extremamente reativa. Já falei sobre reatividade no último post e só há cerca de um mês consegui compreender que eu de fato sou uma pessoa extremamente reativa, que fala antes de pensar e que acaba dizendo coisas diferentes das quais se propôs a falar. E isso eu vejo muito nas minhas relações familiares. Eu e minha mãe somos muito parecidas e aprendemos na física que cargas iguais se repelem, né? Tá aí uma lição da qual eu jamais me esqueço. Sempre tivemos uma relação cheia de atritos, brigas, alterações… São poucas as vezes em que conseguimos sentar e ter uma conversa tranquila. Vejo MUITO de mim na minha mãe. Se não quero ser assim, reativa como ela, brigona, estressada, preciso observa-la e nisso, olhar também pra mim, pois somos muito iguais. Tentar não entrar no mesmo jogo, não responder da mesma maneira. Tenho me policiado imensamente para não colocar ainda mais lenha na fogueira nos momentos em que atritamos. Mas é claro que não só de atrito a gente vive. Temos muitos bons momentos também (minha mãe não é uma carrasca não! Rs… Talvez a forma que esteja descrevendo ela – e a mim mesma – transpareça isso, mas não. Ela é uma excelente pessoa, que tem um temperamento difícil como o meu, é fruto de uma vida bastante dura e sofrida, mas estamos caminhando para nosso aprimoramento).

Como o último mês foi bastante intenso, tive a ideia de anotar em um caderninho todos os insights que vinha tendo, tudo aquilo que de alguma forma me fazia enxergar a minha vida de outro ângulo e que trazia algumas respostas pra questões que sempre me afligiam. São muitas questões sobre as quais quero falar, mas para que esse texto não fique gigantesco, vou aos poucos partilhando com vocês ao longo de uma série de posts.

Nesse texto queria partilhar uma questão que está muito forte em mim e nas minhas reflexões: encontrar o caminho do meio. Como mencionei acima, essa minha rebeldia tem muita relação com a minha forma de ver as coisas: sempre de forma extrema, ou 8 ou 80. Ou é branco, ou é preto, sem nuances. E sei que as coisas não são bem por aí. Nesse meu extremismo já fiz muitas coisas que não eram exatamente o que queria. Já me anulei demais, assim como me impus demais, e em nenhuma dessas circunstâncias fui bem sucedida. Tenho tentado pensar antes de agir, analisar a situação por outros ângulos para só então tomar uma posição ou decisão. Por isso tenho sentido a necessidade de aquietar as coisas aqui dentro de mim, de digerir toda essa informação para depois partilha-la, pois continuo acreditando que o que dividimos, multiplicamos.

Sigo aprendendo e reaprendendo, caindo, levantando, rindo, chorando, tentando exercitar a minha paciência, acalmar o coração e deixar a vida fluir e me mostrar a direção certa a tomar, a escolha certa a fazer. Sou grata por cada um de vocês que visita o blog, que partilha, que me manda e-mail, que me ensina. Somos todos mestres e alunos uns dos outros. Sigamos aprendendo.